GESTÃO DO ESPORTE. O futebol carioca está desmoralizado?

A falta de planejamento e a irresponsabilidade financeira punem os grandes clubes do estado

Arte: Carta Capital

arte-futebol-carioca-carta

À exceção do Flamengo, os demais pagam o preço da má gestão


 

Por Paulo Delgado - publicado na Carta Capital


O futebol do Rio de Janeiro, que foi a menina dos olhos de ouro do Brasil, tem se auto-sabotado e passado vergonha dentro e fora dos gramados. 

Nas cinco últimas rodadas encerradas do Brasileirão, somente o Flamengo teve aproveitamento maior que 50%, enquanto o atual líder Palmeiras alcançou 73,3%.

Na tabela do campeonato a gente vê que a situação não está fácil para os times cariocas. Fluminense e Botafogo estão embolados no meio da tabela, mas não estão tão longe do Z4. A quatro rodadas do fim, a diferença entre o 17°, o Chapecoense, e eles é de quatro pontos.

Leia também:
A grandeza de torcer para um time "pequeno"
O esporte cai do cavalo

O coração dos vascaínos tem um misto de tristeza e medo, pois o time está a um ponto da zona de rebaixamento. O Flamengo está bem colocado, no terceiro lugar, mas a falta de reposta aos altos investimentos irrita os rubro-negros.

As últimas conquistas dos clubes cariocas foram o Campeonato Brasileiro de 2012, pelo Fluminense, e a Copa do Brasil de 2013, pelo Flamengo.

A escassez de títulos é um reflexo da crise financeira e de gestão que está instalada há um bom tempo nesses clubes, exceto no Flamengo que desde 2015 conseguiu por as contas em dia, mas continua a dever troféus.

A culpa não é exclusiva da administração atual. O despreparo, a irresponsabilidade e a falta de planejamento das anteriores fizeram as coisas tomarem as proporções que tomaram. Com os atrasos nos salários em diversos setores, o estado deplorável dos estádios, a falta de centros de treinamento ao nível do que esses clubes poderiam e deveriam dar o resultado não seria diferente do sucateamento atual do futebol carioca.

A crise no Flamengo é outra, porque tudo aparenta estar em ordem no clube. Mas a crise que o clube enfrenta não se pode tocar, é a crise física, de técnico, de confiança, de vontade que o elenco e toda a equipe enfrentam.

Só dinheiro não resolve. Isso envolve todos, exige um modificação coletiva de pensamento, de postura em campo. É jogar pra ganhar e não para não perder.

O futebol carioca vive do passado e se alimenta de esperança sustentada pelo amor. O torcedor continua firme, pois não se pode mudar o que está no sangue, mas ele sofre por ver o que tanto ama se perdendo. 


paneladebarro rh 600x100 12122015