CULTURA. Élida Amparo participa neste domingo de live sobre "Kalunga, a lingua secreta"

A transmissão será no facebook de Helena Silvestre que atua em movimentos de mulheres muitos anos em São Paulo.


Da Redação da Rede Hoje


Helena-silvestreHelena Silvestre - reprodução Facebook

 

Um momento importante para todos que se interessam pela cultura popular, acontece neste domingo, a partor de 10 da manhã. A ativista patrocinense Élida Amparo, participa de uma live com Helena Silvestre, com o tema: "Kalunga, a lingua secreta", que é falada aqui na região desde o tempo da escravidão. Será pelo Youtube "Filosofias do Laco de Cá".

 

Helena Silvestre atua em movimentos de mulheres muitos anos em São Paulo. O objetivo deste encontro, de acordo com Helena, é “compartilhar pessoas que eu tive o privilégio de conhecer nessa minha vida que carregam conhecimentos que não figuram no conhecimento oficial, acadêmico”, diz e convida: “domingo uma mulher muito querida e amada que é Élida Amparo, que conheci nas minhas andanças militantes, quando estive na cidade de Patrocínio, Minas Gerais, a convite de uma outra grande amiga - Bianca Gonçalves - que tem sido fonte para conexão de mulheres”, diz

 

elidaÉlida Amparo - reprodução Facebook

 

Helena Silvestre diz que “Minas é um estado negro, povos de diferentes países da África que foram sequestrados, escravizados e levados para lá. Neste domingo a gente vai conversar sobre uma coisa que eu acho super interessante, que descobri lá e queria dividir”

 

Explica os motivos da necessidade de as pessoas conhecerem a Kalunga, o dialeto africano usado pelos negros na época da escravidão na região de Patrocínio.Não é para ficar sabido, mas é para melhorar nós mesmos e o mundo ao nosso redor. Conhecimentos ancestrais me parecem tão importantes nesse momento para que a gente sustente vivos nas nossas nossas comunidades; resistindo ao genocídio”, diz Helena Silvestre.