COMEMORAÇÃO. APPCER celebra dez anos de união de família de pequenos produtores na cafeicultura

Na primeira década a chegada da segunda geração de seus associados unindo tradição, inovação em ambiente de crescimento coletivo.

apcer - produtor

Diretoria da APPCER entrega prêmio por qualidade de café à família associada. Foto: Arquivo APPCER


Da redação da Rede Hoje


A Associação dos Pequenos Produtores do Cerrado (APPCER), celebra, em 2020, sua primeira década. A entidade que atua em Patrocínio-MG comemora os dez anos e o cumprimento de objetivos com chegada da segunda geração de seus associados.

 

Os pequenos produtores de café da Região do Cerrado Mineiro, antes de 2008, sentiam-se à margem de benefícios ofertados a médios e grandes produtores. Com a produção nos moldes da agricultura familiar, eles diversificavam suas culturas para conseguir um volume menor de cada produto.

 

O ano de 2008 marcou a mudança com a chegada do Núcleo Cooperativista dos Pequenos Produtores (NUCOOPP), modificando o acesso da classe a crédito, comercializações mais justas para seu produto e prestação de serviço alinhada com sua realidade. O núcleo foi idealizado pelas cooperativas agrícolas: Coopa, Expocaccer e Sicoob Coopacredi. Desta união em favor do pequeno produtor veio a prova de que unidos eles poderiam vencer as adversidades do mercado.

 

Em 2010 surge a Appcer com o apoio das cooperativas, Federação dos Cafeicultores, Sebrae e Secretaria Municipal de Agricultura. Com a associação nascia também a união de famílias de pequenos produtores. Organizadas, conquistaram a certificação Fairtrade para os seus cafés. Deu-se, então, início a um novo capítulo da cafeicultura em Patrocínio e na Região do Cerrado Mineiro.

 

Hoje somos uma associação respeitada. Temos muitos projetos sociais: bolsa de estudos para associados e seus familiares, ações filantrópicas e um atendimento ao associado de forma personalizada e muito próximo, diferente de muitas organizações”, ressalta José da Cruz Pereira, associado e primeiro presidente da Appcer.

 

O selo e a melhoria. Com a certificação das fazendas com o selo Fairtrade e os parceiros apoiando a associação, os produtores viram a possibilidade de melhoria: de processos nas fazendas, de comercialização de seu produto e também da qualidade de vida.

 

O Fairtrade (Comércio Justo) é um selo que garante a parceria entre produtores e consumidores, visando à melhoria de vida e redução da pobreza por meio de práticas comerciais éticas. Assim, a certificação assegura que os produtos com o selo respeitam às normas sociais, econômicas e ambientais.

 

Hoje a Appcer distribui para seus associados, ao ano, em torno de R$ 500 mil reais para melhoria de qualidade da atividade cafeeira, social e ambiental. Importante é a forma democrática em que se utiliza o prêmio. O total dos recursos recebidos durante o ano, somente pode ser utilizado mediante consulta e validação pela Assembleia Geral da Appcer”, explica o ex-presidente da Appcer. Carlos Behrend.

 

Eles diz que em 2013, os produtores associados receberam um grande valor que foi revertido na construção de terreiros de café para 18 associados que não possuíam este recurso em sua propriedade. “Com uma administração enxuta, a Appcer possibilita que o associado obtenha uma melhor remuneração por meio do prêmio, proporcionando a melhoria de vida”, completa Carlos Behrend.

 

Segunda geração. Após uma década a Appcer tem cerca de 100 associados em seu quadro social. Há uma porcentagem crescente de jovens cafeicultores, filhos de produtores que acreditaram na união de famílias e trabalharam para que os ideais da Appcer gerassem resultados.

 

Lilian Hortense, associada da segunda geração, diz que “a Appcer evoluiu muito nestes 1o anos, porém, uma evolução totalmente estruturada. Não apenas sobre os processos e sua interação com o mercado de café Fairtrade, mas é uma evolução também de pessoas, de melhoria de vida e de realizações de sonhos”, explica.

 

Eles querem mais. Para o futuro vêm a associação buscando mais espaço no mercado, valorizando a agricultura familiar e “dando oportunidades para as mulheres do agronegócio, na qual tenho muito orgulho em dizer que fui a primeira mulher a fazer parte da diretoria da associação”, declara.

 

Os jovens cafeicultores participam ativamente de frentes de trabalho, trazendo inovação, juventude e vigor para a associação. Algo que evidencia os objetivos da Appcer que continuam sendo importantes e motivam jovens a se unirem à associação para uma cafeicultura justa, profissionalizada e promissora.

 

Temos muitos motivos para comemorar, pois em dez anos nossa evolução é nítida. Hoje temos filhos de associados que participam ativamente da associação, em diretoria e conselhos, trazendo inovação e cuidando para a continuidade dos objetivos da Appcer. O progresso da agricultura familiar na nossa região contribue para que o movimento da melhoria seja constante”, celebra Carlos Fardin, atual presidente da APPCER.

 

Uma conquista incrível, algo inacreditável, a certificação proporciona ao associado preços justos, assistência técnica e ainda incentiva o espírito associativista. É muito gratificante, para mim, fazer parte desta história”, diz José da Cruz, e finaliza agradecendo os associados que acreditam nesta união, “em especial aos fundadores, pois somos pioneiros nesta iniciativa na Região do Cerrado Mineiro”, finaliza José da Cruz.

 FONTE: Polliana Dias | STUDIODVÖS Marketing e Comunicação