DENÚNCIA. Vereador diz que recriação de cargos extintos com nomenclaturas modificadas gera impacto financeiro superior a 300 mil no Daepa

Thiago Malagoli cita duas portarias de janeiro de 2019 publicadas pela Associação Mineira de Municípios no Diário Oficial do Município

Foto: Facebook

thiago-malagoli2

Vereador fez a denúncia na terça-feira


Da Redação da Rede Hoje


portaria

As portarias cidatas pelo vereador publicadas em janeiro deste ano

 

O vereador Thiago Malagoli, em nota, informa que “cargos extintos foram recriados com nomenclaturas modificadas pelo Daepa” vão gerar um impacto financeiro no DAEPA de mais de 300 mil no caixa da instituição nos próximos dois anos, tempo da atual administração à frente da autarquia.

 

Malagoli cita duas portarias (714/2019 e 715/2019), de 28 de janeiro de 2019 publicadas pela AMM - Associação Mineira de Municípios - no Diário Oficial do Município. Segundo o vereador um cálculo simples mostra que “dois cargos somam anualmente um impacto financeiro de R$161.565,04. Ao longo dos anos de 2019 e 2020, serão gastos com estes dois servidores o valor de R$323.130,08”, explicou.

 

DENÚNCIA. O vereador diz que os cargos que foram extintos não eram preenchidos e que os dois atuais já estão contratados, “conforme denunciei no dia da votação na Câmara, reitero agora diante de fatos incontestáveis: haverá sim representativo impacto financeiro na Autarquia, num montante de mais de 323 mil reais entre 2019 e 2020” informou.

 

Thiago Malagoli analisa que “o valor que poderia e deveria ser utilizado em melhorias para população, atualmente penalizada com excessiva sobretaxação dos serviços ali prestados, e que além disto, será quem vai pagar também essa conta”.

 

SEM SUPERINTENDENTE. Ele concluiu a nota enviada à Rede Hoje destacando que o mais grave é que o Daepa “permanece sem superintendente e sem nenhum cargo técnico, ou seja, sem reais conhecedores de engenharia e administração, princípios inerentes aos referidos cargos e funções. Mesmo porque um profissional da área jamais permitiria uma situação tão vexatória e elementar para qualquer especialista em gestão”.